O Poder da Dança - Parte II

sábado, 29 de janeiro de 2011

olá, meus queridos!
E dando continuação sobre a série de postagens sobre as danças... falarei um pouco hoje sobre as danças pagãs, da antiga religião!
Em todas as épocas, em todos os povos, Tribos, etnias e, em toda história da humanidade... A dança está enraizada em todos momentos vitais, em todas experiências da Sociedade e das pessoas. Nos momentos do Amor, da Morte, das Guerras, rituais e celebrações.
A vida em sociedade pode ser expressada em palavras, mas os acontecimentos não transcendem. A dança exprime estas transcendências. Os homens, as mulheres, as crianças dançam para falarem sobre o que elas honram ou sobre os que as emocionam.
"A dança", dizia Platão, "é um dom dos deuses. Ela deve ser consagrada aos deuses que a criaram".


Por que nem sempre esse significado da dança aparece hoje em dia de forma evidente?
A dança sempre falou do amor, da luta, da morte e das coisas depois da morte, degenerou, então, num academismo e num virtuosismo sem nenhum significado humano.



A Dança tribal nos dá a liberdade para trazermos a beleza e riqueza de influências culturais variadas usando como base a dança do ventre. Traz a força do poder feminino em suas mais diversas formas.  
Através da fusão de diversas formas de dança, como especiarias para temperar, a Dança Tribal traz a força da ancestralidade das danças femininas usando a dança do ventre como base, a inovação das danças modernas, a descontração e brincadeira de uma dança de celebração, pois quando dançamos celebramos a nossa existência e damos espaço e ritmo aos nossos sentimentos, emoções, sensações e experiências.

Original dos Estados Unidos, a Tribal Fusion ou Tribal Bellydance, é caracterizada pela diversidade de estilos que se fundem numa só dança, mesclando  em si mesma arquétipos, conceitos e movimentos das danças étnicas de várias regiões como, por exemplo, o Flamenco, a Dança Indiana, e danças folclóricas de diversas partes do Oriente, Danças Tribais Africanas, Asiáticas, Havaianas, Brasileiras e tudo o mais que quisermos usar para dar sabor e tempero e expressarmos nossa arte! 

Então é isso, meus queridos!
Amanhã não vai dá pra postar nada, tenho uma apresentação com a banda, tocaremos alguns covers da Joan Jett!
Mas segunda-feira, estarei de volta e falarei mais sobre as danças pagãs modernas e antigas, rituais e entre outros!

Blessed Be!

7 comentários:

nei silva disse...

a dança simboliza nosso estado de espirito,mesmo sem saber dançar(que é o meu caso)sempre arriscamos uma batida de pé ou por que não um balanço de cabeça!!!

O diário de Evelyn Rose disse...

a dança está em nossa alma, em nosso espirito, são as nossas manifestações, expressões, transe, êxtase puro... é o sagrado estado de celebrar

Wanda disse...

costumo dizer que a dança é a manifestação da alma e dos sentimentos : ]
belo texto
http://distractingpages.blogspot.com/

Leandro Danúbio disse...

Eu acredito que a dança passa sentimento, além de força... Antigamente os querreiros dançavam para depois irem para a guerra...

O diário de Evelyn Rose disse...

Sim, em algumas tribos do norte europeu, que ainda resistem através do tempo acreditam que existem uma dança que é capaz de curar os males do ser humano, encontrar a paz!

Ravi Barros disse...

A maioria dos rituais tende a perder sua verdadeira essência com o passar do tempo, é uma coisa normal.
Dança é uma arte fascinante!

O diário de Evelyn Rose disse...

Mas os rituais ainda resistem por tempos e tempos... um exemplo, a antiga religião que ganhou uma nova roupagem, hoje a chamamos de Wicca, mas ela continua com a mesma crença, porém algumas coisas mudam, mas é assim com tempo, mas a essencia continua... a dança ainda fascina, tem o poder

Postar um comentário